Simples Nacional passará por pente-fino da Equipe Econômica - Serkat Contabilidade & Consultoria
 



NOTÍCIAS NOTÍCIAS
Veja também:

O livro preto morreu? Estamos falando do Registro de Empregados
Aprovação do projeto que reduz ICMS é conquista para SC
CLT pode incluir Trabalho Multifuncional
Dessa vez vai?
Empresas não cometem crime por ICMS não pago, diz Fecomércio
Cinco dicas para administrar uma empresa familiar
A corrida para distribuir dividendos e evitar futura tributação faz sentido?
GUIA DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (GPS) PARA PAGAMENTO DE PARCELAMENTOS SERÁ EMITIDA EXCLUSIVAMENTE PELA INTERNET
Registro Automático permite abertura de empresas em poucos minutos em Santa Catarina
Supremo decide que não recolher ICMS declarado é crime. Processo julgado é de SC

Veja Mais +

Simples Nacional passará por pente-fino da Equipe Econômica
Data da publicação: 25/06/2019


Principal responsável pelos gastos tributários do governo federal, o Simples está entre os programas que vão passar por um pente-fino da equipe econômica. Um estudo que está nas mãos de técnicos do governo mostra que, a cada ano, quase 20 mil empresas podem estar sendo criadas apenas para se beneficiar das alíquotas mais baixas que são cobradas no regime.

O trabalho, feito por técnicos do Ipea, analisou os períodos de 2006 a 2010 e de 2011 a 2018. E afirma: “um montante de 12 a 18 mil firmas podem estar sendo criadas anualmente apenas para burlar o sistema”. Isso representa entre 3,6% e 5,2% das novas firmas criadas no país a cada ano.

Mesmo com as contas no vermelho, o governo abre mão de mais de R$ 300 bilhões em tributos arrecadados para incentivar diferentes setores da economia anualmente. O Simples fica com a maior parte, quase R$ 90 bilhões. O objetivo é dar um tratamento diferenciado a pequenas e médias empresas que precisam de ajuda para não se afogar na burocracia e nos custos que o sistema tributário brasileiro impõe.

No entanto, existem limites de faturamento para as empresas poderem se enquadrar no regime. E quando o valor supera o limite anual definido no Simples, a firma perde o benefício. É aí que entra uma prática chamada de fracionamento artificial: o dono de uma companhia cria uma nova empresa no mesmo ramo de atuação e as duas dividem o faturamento. Isso evita que elas superem os limites do regime e continuem sendo beneficiadas.

O trabalho dos técnicos, no entanto, terá que ser minucioso. Eles reconhecem que a comprovação de um fracionamento artificial é difícil e que o Simples é importante porque abre caminho para a formalização. É graças a ele que milhares de empresários conseguem atuar no país.

 

Fonte: Revista Época

 




Redes Sociais

Serkat
Rua Rui Barbosa, N. 149
Centro - Lages - SC
Fone/Fax: (49) 3222 1826
contato@serkat.com.br

Procon
Estúdio Sul