Sachsida: Governo tem ‘planos B e C’ para crédito a micro e pequenas empresas - Serkat Contabilidade & Consultoria
 



NOTÍCIAS NOTÍCIAS
Veja também:

Santa Catarina registra crescimento de 9 por cento na produção industrial em junho
Conselho da OAB quer escalonar aumento de novo tributo para profissionais liberais
Bolsonaro sanciona lei de negociação de dívidas das micro empresas
Governo lança nota fiscal eletrônica para simplificar coleta de impostos em Santa Catarina
Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional prorroga suspensão dos atos de cobrança até 31 de agosto
Novos empréstimos do Pronampe começam até 15 de agosto, diz governo
Empresas inadimplentes não serão excluídas do Simples em 2020
Protesto de dívida ativa em cartório está suspenso até outubro
Para evitar veto, governo avalia antecipar desoneração ampla da folha de salários
Governo propõe reunir PIS-Cofins em uma mesma contribuição com alíquota única de 12 por cento

Veja Mais +

Sachsida: Governo tem ‘planos B e C’ para crédito a micro e pequenas empresas
Data da publicação: 10/06/2020


O governo federal está comprometido em fazer o crédito chegar às micro e pequenas empresas e que adotará novas medidas se os programas já anunciados não surtirem efeito, reforçou nesta segunda-feira (8) o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida.

“O crédito tem que chegar nas micro e pequenas empresas, estamos muito atentos a isso. Estamos trabalhando inclusive no plano B, no plano C”, afirmou Sachsida em webinar do Comitê Brasileiro da Câmara de Comércio Internacional (ICC Brasil).

O secretário afirmou que a perda da qualidade das garantias que podem ser apresentadas pelas empresas é uma das dificuldades e que, diante das incertezas, ele considera natural que os bancos restrinjam algumas operações.

Sachsida também pontuou que o governo está gastando mais de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) nas medidas para a crise. “O Brasil tem restrições fiscais claras. Não podemos sair gastando, porque depois a conta vem”, afirmou.

O secretário afirmou que, no Brasil, as medidas de emergência para população carente chegaram antes do estresse no sistema de saúde. Ao tratar especificamente o Programa Emergencial de Suporte a Empregos (PESE), Sachsida afirmou que ele está sendo reformulado em parceria com o Congresso, para destravar o crédito.

Recuperação

Sachsida destacou as diferenças do Brasil e dos Estados Unidos no que diz respeito à recuperação da atividade no pós-crise. “Uma empresa quebra nos EUA, no dia seguinte ela abre”, disse o secretário. “Aqui no Brasil, quando a empresa quebra, são cinco anos para reabrir. O microempresário nem entra em recuperação judicial, ele fica ilegal.”

De acordo com Sachsida, em função desta característica, é preciso manter a base produtiva no país. Deste modo, a recuperação pós-pandemia será mais rápida. “As empresas não estão demitindo mais no Brasil por conta do sucesso dos programas e porque o custo de demissão é muito alto”, acrescentou.

Sachsida disse ainda que, com a crise atual, é preferível perder “algum dinheiro” para manter a base produtiva. “Abril foi o fundo do poço. Maio será melhor que abril”, afirmou. No entanto, segundo o secretário, muitas empresas já “queimaram suas reservas” e, por isso, os próximos meses também serão desafiadores.

 

Fonte: Portal Contábil SC

 

Comentários





Redes Sociais

Serkat
Rua Rui Barbosa, N. 149
Centro - Lages - SC
Fone/Fax: (49) 3222 1826
contato@serkat.com.br

Procon
Estúdio Sul