Serkat | A Previdência em debate
 



NOTÍCIAS NOTÍCIAS
Veja também:

Como tirar alvará de funcionamento
Melhores práticas de gestão financeira que todo empreendedor precisa conhecer
Entenda de forma simples como apurar lucro de um negócio
Abra sua empresa sem preocupações
Margem de contribuição: entenda o que ela representa no seu negócio
Como ser estratégico na escolha da localização do seu negócio
Senado discute reabertura de programa que refinancia dívidas com a União
4 Ps do Marketing: entenda o que são e como podem ajudar na sua estratégia
Previsão de vendas: entenda o que é e as vantagens de aplicar no seu negócio
5 cargos em finanças que estão em alta em 2021

Veja Mais +

A Previdência em debate
Data da publicação: 19/05/2016


A equipe econômica do presidente interino Michel Temer (PMDB) deve entregar, em 30 dias, uma proposta de mudanças na Previdência Social como alternativa para reduzir o deficit que aumenta a cada ano. A elaboração pelo governo será feita com debates com centrais sindicais (leia mais na página 2). Temer quer deixar como seu legado o equilíbrio destas contas, que vêm acumulando deficits recordes – no ano passado, o prejuízo nominal foi de R$ 85,8 bilhões, 51,4% maior do que o contabilizado no ano anterior.

Ainda é difícil prever quais propostas devem vir, mas a que mais tem apostadores é de estipulação de uma idade mínima para aposentadoria para o regime privado. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já sinalizou positivamente neste sentido. No setor público, mulheres se aposentam a partir dos 55 anos, e homens, a partir dos 60. Também há tetos de 70 e 75 anos de idade, respectivamente, para homens e mulheres.

O governo também deve propor uma regra de transição para quem já está no mercado de trabalho, enquanto sindicalistas querem que as regras passem a valer apenas para novos trabalhadores.

Pesquisa

A discussão se inicia ao mesmo tempo em que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulga relatório que aponta compreensões contraditórias em relação ao Regime Geral de Previdência Social. Segundo o levantamento, 65% dos entrevistados concordam com uma idade mínima de aposentadoria, mas 75% discordam que as pessoas tenham de se aposentar mais tarde à medida que cresce a expectativa de vida.

Tanto que a maioria considera que a idade ideal para se aposentar seria até os 60 anos – a idade média do brasileiro, ao buscar o benefício, é de 59 anos. Apenas 17% dos entrevistados consideram a idade ideal acima dos 60 anos e 1% não respondeu.

O levantamento também mostra que a maioria (47%) tem a ideia errônea de que a aposentadoria chega mais cedo em países desenvolvidos, enquanto 8% acreditam que as idades são iguais às daqueles países e 18% acham que nos aposentamos mais cedo – 27% não souberam ou não quiseram responder.

Análise

O professor do Departamento de Economia da Universidade Técnica Federal do Paraná (UTFPR) Marcos Rambalducci analisa que a população começa a se conscientizar sobre a necessidade de uma idade mínima, mas não entende que maior longevidade implica na prorrogação deste prazo mínimo.

Para ele, algumas medidas que podem ser tomadas é aumentar o cálculo dos atuais 85/95 (quando a soma da idade do contribuinte com a quantidade de anos de contribuição chegue, para as mulheres, a 85 e, para homens, a 95) para 95/100, ou equiparar o tempo de contribuição entre mulheres e homens. Atualmente, as mulheres contribuem cinco anos a menos, mas têm maior expectativa de vida.

O advogado especialista em previdências Thiago dos Anjos Nicolli Napoli diz ainda ser difícil avaliar as propostas que devem vir do governo Temer, mas defende a urgência de uma reforma porque há previsão de que, em 2050, cada casal tenha, em média, um filho, o que reduzirá a base de contribuintes da pirâmide e aumentará o número de aposentados. “O grande medo do brasileiro é a Previdência quebrar um dia, mas o responsável [em manter os aposentados] seria a União”, explica.

Apesar da urgência de revisão, uma reforma profunda sempre seria postergada devido à rejeição provocada pela falta de informações dos contribuintes repassadas por governo e gestores. “Um beneficiário, ao procurar uma agência, sai de lá ou mal informado, ou mal tratado. Com isso, ele sente que estão escondendo seus direitos e ele fica receoso em relação a qualquer mudança”, diz. 

Além disso, o advogado afirma que os beneficiários não sentem a contrapartida das contribuições, mas boa parte por desconhecer quais lhe seriam de direito.

Fonte: Portal Contábil SC

 

Comentários





Redes Sociais

Serkat
Rua Rui Barbosa, N. 149
Centro - Lages - SC
Fone/Fax: (49) 3222 1826
contato@serkat.com.br

Procon
Serkat Site Seguro Google
Estúdio Sul